14 de março de 2017

Post dedicatória



Porque, finalmente, a letra e a voz  - que ADORO - capazes de traduzir meu mais percuciente sentimento. 
Johnny Depp, Denzel Washington, Alexander O'Loughlin, Matt Damon, Al Pacino, Jack Nicholson , De Niro,Tommy Lee Jones,  Morgan Freeman e Pipoco , isto é pra vós.


(Obrigada Salvador, por me dares a oportunidade de "sair do armário" e assim  abrir o livro do meu coração). 



13 de março de 2017

Conselhos da Isa II

Se um dia o vosso médico vos mandar fazer exames estranhos (<- link), e só se confrontarem com a realidade  da sua prática aquando da marcação do acto, em virtude de vos passarem uns tubinhos prás mãos, e mais uma papelada, e umas orientações belhéque, e vos apetecer voltar ao consultório da pessoa para a estrangular ou assim, pois que quando perguntada sobre "e isso é paquê?", vos respondeu "ó melher, é um rastreio, tu vai fazer isso também e cala-te, não custa nada!" respirem fundo, contem até 174.231 e pensem que há coisas bem piores a acontecer nesta vida, que vos cair no prato, assim num repente, uma tarefa daquelas e ainda por cima sem razão nenhuma aparente. 
Levem o vosso tempo, caso não haja mesmo nenhuma razão aparente.  
Eu levei umas 3 semanas, durante as quais fui fazendo os outros exames, olhava prós tubos de soslaio, equacionava toda a envolvência da coisa e desistia, até que um dia me atirei ao assunto de uma vez por todas, e fi-lo pelas razões óbvias: é um exame de prevenção, a forma como a prevenção é feita deverá ser absolutamente secundária. Depois é indolor - pelo menos fisicamente - e não, não se vão pôr a comprar um frigorífico exclusivamente  pró acondicionamento da merda dos tubinhos já com alguma matéria para análise, que isso é uma perfeita parvoíce, carago! Sois alguns bebés ó quê??, são caríssimos (fui ver) e depois não vão saber o que fazer àquilo, após a entrega da encomenda completa ao laboratório. Nada disso. Deixem-se de paneleirices, afastem esses pensamentos de vossas mentes, e depachem-se logo com aquela treta. 
De facto, até vos aconselho a não fazerem como eu, não pensarem muito no assunto e ser essa a primeiríssima recolha a ser efectuada. Tirem o que está na última gaveta do frigorífico, arranjem umas caixinhas ( podem ser daquelas que vêm umas dentro das outras, como as bonecas russas, 5 devem chegar) e bastante papel de alumínio. Tudo o resto fica na 1ª prateleira do aparelho, essa semana não vão ás compras de frescos e já está, caso arrumado. Aquilo demora uns dias, o que, bem perspectivado,  até serve de incentivo pra não desistirem, na medida em que o acto vos faria terem que recomeçar, e creiam-me: não vão querer isso. Também não vos ireis esquecer dessa primeira tarefa diária, asseguro-vos, aliás, aconselho mesmo a que ponham os tubinhos bem à vista, de modo a que a sua diminuição em número no antes, por oposição ao após usados, vos seja um estímulo, em suma, é nojento mas não custa nada. 
Mais a mais, ensina-nos a vida que de todas as situações menos simpáticas, há que se tirar algum partido. Neste caso, a saúde está logo ali à cabeça, é só termos isso em mente e pronto. Depois, e se quiserem prosseguir  nessa filosofia e partirem-se a rir todas as manhãs, é fácil: Deem um nome a cada tubinho. 

Hã? Quem é 'miga?


Pois, lá está... Não m'estimem não.



10 de março de 2017

Pra mim pode ser uma osmose simples, obrigada. Talvez com uma batatinha frita... (mas pouca, que estou de dieta)

Não ter nada que fazer, dá nisto. Entrar nos contadores de blogs alheios para cuscar, perdão, farejar, tudo e mais alguma coisa. 
Muito triste essa realidade. 


Há muito que eu não fazia uma birra, se a determinado dia da semana e a determinada hora, a TV não estivesse num determinado canal




Gosto tanto, que nem a aranhita (que tenho na sala e que aqui mantenho por questões estratégicódefensivas, em  caso da eventual necessidade de correr daqui com alguém que me esteja a desassossegar, bastando para o efeito apontar para a parede e dizer "já viste o que temos ali?", terminando a frase já de novo sozinha, ouvindo somente e muito ao de longe uns simulacros de vómitos e gritinhos de nojo), se mexe. 



6 de março de 2017

O meu saravá

-Aos bloggers que respondem em tempo real aos pra cima dos entos comentários aos seus posts, parando tão somente durante as horas de seus almocinhos, e dando por terminado o assunto, curiosamente, numa consonância a tocar mesmo as raias da magia, com a hora de término de seus horários laborais. 

(Deixo aqui a expressão "prémio de produtividade", só naquela de ver quem a apanha, se a entidade patronal ou se a plataforma que os aloja. Sem  discussões, faxavor, quem chegar primeiro é que ganha, toda a gente sabe disso e o mundo precisa  de Paz!)


- Ao Bruno de Carvalho.  Como Benfiquista que sou, pus no meu GPS "barbamerda". Andei, andei e andei até chegar onde aquela voz irritante me mandou parar e dou com o  Estádio de Alvalade, que é muito lindo.

(Quanto a mim, aquilo até  me parece relva  pra já ter ganho umas coisas, mas pronto, diz que não se pode ter tudo).

Agora quero muito que ele nos mande prá "cona da mãe",ou assim.:))




2 de março de 2017

Sem querer ser inconveniente (ou sequer algo que se pareça, nem de perto nem de longe, deus ma livre, era lá eu capaz de uma coisa dessas)

Hoje levantei-me, e como tinha aqui uma beca entre um afazer e outro, pus-me a ler o que o meu afectuoso companheiro de bloga tem a dizer. Nanana, blablabla, ai que giro, olha que esta pessoa escreve muito bem,  ai que interessante, olha que amoroso! coisinhas sobre os filhos, ohhhhhhhhhhhhhh, cuiaxão! quindim ... E lá fui eu, de blogue em blogue, até chegar ao Parque Jurássico da Blogosfera [composto por aquele núcleo de autores que não dizem uma prá caixa, mas pronto, os que  às vezes vão  à neve sem ir, põem uma mesa como ninguém, os que por norma, ao invés de escrever sobre o que têm ou onde as suas capacidades financeiras os podem levar, tiram fotos, de modo a fazer entender ao pessoal que nisso também  são maus, sempre muito iguais a si próprios, em suma, os mais simplezinhos de todos, os nada pedantes, os a milhas da arrogância,  os que, para chegar a determinada pessoa falam de outra - exactamente como mandam as suas amadas convenções sociais, as que proíbem de se andar com demasiada pele à mostra, dar de mamar em público - os têm umas coisas a dizer sobre bloggers que expõem os filhos, sobre as publicidades encapotada e mais uma parafernália de tópicos lá dos seus gostos, os que espetam com facadinhas nas costas das suas amizades, mas ohhhhhhhh! foi sem querer... percebeste tudo mal... ], em suma, aquele ramalhete de pessoal do bem, a quem eu gosto de apelidar de "bardamerdas" - mas isso simplesmente porque sou uma pessoa muito mal disposta por natureza, ninguém se confunda, eu adoro-os, por vezes até me inspiro neles, nos seus conceitos, nos seus valores, nas suas posturas, e tal, sendo só no onde é que fica a faca do peixe é que tenho que me treinar, de forma a contrariar esta minha mania de tentar fazer tudo ao contrário, permanecendo, porém, muito convicta de que um dia lá chegarei. Sou uma pessoa bastante resiliente, (embora não pareça nada se avaliarmos pela quantidade de posts que produzo, né, mas sou, e caralhos ma fodam se não hei-de não ser uma vaca tresmalhada que sabe comer o seu peixinho como deve ser, ai isso é qu'era bom, a ver vamos!).   

Bom, retomando o fio à meada, dizia eu que pois que por aqui andei, e daqui saí um cadinho atordoada, por um assim dizer, entontecida, vá, um molho azamboada, ou... aturdida, mesmo, na medida em que , o lugar do vácuo ao que o meu cérebro se habituou após terminar aquele empreendimento, viu-se hoje tomado por um corpo estranho, contra o qual o meu organismo ora se debate ferozmente, e que consiste no seguinte: 

- O que será melhor para mim:  Ver coisas de uma janela, falando de mim para mim feita uma alforreca perdida das outras no oceano, ou vou deitar ali um olhinho à inultrapassável Gaffe, e aprendo umas coisas sobre variadíssimas coisas, nomeadamente aquela que consiste em saber escrever...?


(Ai. E logo hoje, que estou sem ben-u-rons, jasus...)